quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

I - Os Nogueira de Serrinha - Bahia

Antonio Rodrigues Nogueira
O jovem que veio de Portugal.

     Os Nogueira, família ilustre do Município baiano de Serrinha, se originam do filho primogênito do casal Antonio Rodrigues Nogueira "Figura" e Maria José de Carvalho Nogueira, ele português chegado ao Brasil em 1844, fixando-se na Cidade do Salvador e cujas raízes estão na Cidade do Porto e regiões vizinhas, provavelmente em Vianna do Castelo, indo até Vila Nova da Cerveira na freguesia de Nogueira onde tínhamos, por ouvir falar parentes mais antigos, uma certa “Torre de Nogueira” como referência das origens de sua família. Ela era uma das filhas do comerciante português José Pereira de Carvalho e de dona Alexandra Pereira de Carvalho, com quem se casou, muito provavelmente em meados do ano de 1851.
     Além de bem sucedido comerciante, Antonio R. Nogueira na então capital da Província da Bahia, em 1857 foi um dos fundadores da Real Sociedade Portuguesa e de Beneficência, e seu 5º presidente no período compreendido aos anos de 1861 a 1863.

     O casal teve 13 filhos, sendo que o primogênito recebeu o mesmo nome do pai.


     Antonio Rodrigues Nogueira, o filho, nasceu na Cidade do Salvador, em 21 de março de 1852. Teve uma curta infância na terra natal pois aos cinco anos, segundo seu bisneto Rubem Rodrigues Nogueira, o menino é levado para estudar na terra de seu pai e avós, onde faz o curso elementar e o de liceu (equivalente ao 2º grau ou médio) tudo indica que com muito bom aproveitamento, o que lhe possibilitou requerer o ingresso, aos dezessete anos de idade, na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. No entanto não concluiu esse curso, atendendo ao chamado de seu pai que por sua vez passa por dificuldades políticas e financeiras, é obrigado a regressar para a Bahia. Não logrando êxito em sua recuperação comercial e financeira como imaginava, mesmo contando com a ajuda do filho, o pai, com o prestígio que possuía, consegue que o jovem seja contratado para dirigir um dos escritórios da empresa inglesa "Bahia and São Francisco Railway Company" responsável pela construção do prolongamento da ferrovia que ligaria Serrinha com Bonfim e Juazeiro, fixando-se em Serrinha no ano de 1874.
     Naquela cidade Antonio encontra em desenvolvimento uma sociedade bastante atuante, formada por famílias de origem portuguesa. Dentre essas famílias, a de Miguel Carneiro da Silva Ribeiro o Pai Gueza, também descendente dos primeiros portugueses que ali chegaram, e sua mulher Maria Francisca de Carvalho, a quem todos chamavam carinhosamente de Mãe Quinha, era a que mais se destacava na liderança política e econômica, sendo que um dos seus filhos, Marianno Sylvio viria viria a ser o primeiro Intendente do Município. Ainda dos filhos do casal, Miquelina Carneiro Ribeiro, nascida em 7 de agosto de 1857, chama a atenção de Antonio e se casam aos 3 de março de 1877 e à partir dessa união iriam surgir em Serrinha, nos anos seguintes, os primeiros Nogueira.

  




9 comentários:

  1. PARABÉNS PRIMO. VEJO QUE NÃO PAROU DE ESCREVER SOBRE A FAMILIA.
    GOSTARIA MUITO DE SABER SOBRE:
    QUEM ERAM OS PAIS DO PORTUGUÊS ANTONIO RODRIGUES NOGUEIRA(O FIGURA) QUE VEIO PARA O BRASIL EM 1844 DO PORTO?
    SERÁ QUE NÃO EXISTE NENHUMA IGREJA NOS ARREDORES DE VIANA DE CASTELO QUE CONTENHA O DOCUMENTO?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro e nobre orimo Fred.
      Finalmente e justamente por intermédio dos registros fantásticos feitos por elementos voluntários da Igreja Mórmon, consegui concluir a busca sobre nossas mais remotas origens. Já tenho tudo organizado em livro e brevemente o colocarei à disposição daqueles que tenham interesse. Caso o tenha, entre em contato comigo no e-mail - marcosarnogueira@gmail.com - abraço.

      Excluir
  2. olá sou filho de Almazio Nogueira e neto de bricio Nogueira.Sou membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Ùltimos Dias e temos o maior acervo de microfilmes do mundo.estou comerçando a fazer a minha genealógia,acredito que com essas informações vamos muito longe.
    Caso vcs tenham interreses procure a Igreja para fazer o seu cadastro de acesso ao site.
    tem como desconbrir os Pais de Antonio rodrigues Nogueira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoni.
      Algum tempo depois de nossos comunicados, finalmente e justamente por intermédio dos registros fantásticos feitos por elementos voluntários da Igreja Mórmon, consegui concluir a busca sobre nossas mais remotas origens. Já tenho tudo organizado em livro e brevemente o colocarei à disposição daqueles que tenham interesse. Caso o tenha, entre em contato comigo no e-mail - marcosarnogueira@gmail.com - abraço.

      Excluir
  3. Adoni.
    Em nossas pesquisas ficamos apenas a partir de Nogueira "Figura", o jovem que veio de Portugal, tentar o Brasil e que constitui numerosa família tornando-se avô de seu avô Bricio. Sei que os Mórmons coletam tais informações e como membro, talvez você mesmo possa consultar tais arquivos e nos repassar o resultado sobre nosso trisavô, Antonio R. Nogueira o "Nogueira Figura", pai de Antonio Rodrigues Nogueira nosso bisavô, que foi pai de Brício seu avô e de Luiz, o meu avô.
    Grato pela visita ao nosso blog.

    ResponderExcluir
  4. Sou Daniel Rodrigues Nogueira Filho, neto de Fernando Rodrigues Nogueira, que por sua vez é filho de Francisco Rodrigues Nogueira o “Chiquito” com Umbelina Murta Ribeiro. Ele, filho de ANTONIO R. NOGUEIRA e MIQUELINA.

    ResponderExcluir
  5. Prezado Marcos, antes de mais nada gostaria de parabenizar-te por esse belo trabalho.
    Me chamo Luiz Cleber Moraes Freire, resido e trabalho em Feira de Santana (BA) e, além de administrador e historiador, sou genealogista da família Carneiro. Nessa busca constante por novas fontes para alimentar essa frondosa árvore, acabei por encontrar o seu blog. Assim como você, também faço parte da família Carneiro, e tenho artigo publicado pelo Instituto Genealógico da Bahia onde trato sobre a origem dos Carneiros no sertão baiano. Originalmente saindo do Sertão dos Tocós, mais precisamente de Riachão do Jacuípe, onde Antônio da Silva Carneiro, português que se casou com Ana Maria da Silva, filha de Bernardo da Silva, se estabeleceu na fazenda São Bartolomeu, seus descendentes espalharam-se pelos atuais municípios de Serrinha, Conceição do Coité, Ipirá, Feira de Santana, Tanquinho (minha origem), Mairi e muitas outras cidades, a família hoje encontra-se em todos os rincões do país e mesmo do exterior.
    Por fim, aproveitei muito os dados do seu blog para complementar informações que já tinha.
    Abraços.
    Meu e-mail: cleberfreire@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou descendente dos carneiros Riachão do Jacuípe

      Excluir
  6. Prezado amigo Marcos, eu como um genealogista desde longa data,sobre os meus ancestrais tantos paternos como maternos, digo que o seu trabalho é de folego, pois sei perfeitamente todas as dificuldades que temos que enfrentar! Muito bom o seu trabalho, continue...
    Grande abraço

    ResponderExcluir